sábado, 21 de julho de 2012

Poker face

Comprei uma porção de móveis novos para equipar a casa, e isso me fez conhecer como funciona cada loja: nas Casas Bahia, por exemplo, você ofende e frustra o vendedor se não levar aquilo que perguntou o preço.
 
Como velhinhos num asilo, as máquinas de lavar do Ponto Frio estavam bem na porta, tomando o sol da manhã. Nenhuma delas tinha preço e todas estavam em oferta. Chamei o vendedor e perguntei pela máquina de 7kg. Não havia. Mas tinha uma de 9kg. Fiz aquelas perguntas que indicam que você tem dinheiro para comprar: em quantas vezes divide, quando entrega, e levantei a tampa do produto, porque entendo tudo da máquina só de olhar para o fundo dela.
 
Baixinho, o vendedor disse: Faço a 10kg pelo mesmo preço da de 9kg – e como nenhuma tinha preço mesmo, eu só podia acreditar e fechar negócio. Fomos para uma mesa preencher dados e ele passou a me explicar como máquinas de lavar são como filha adolescente e vão dar problema com o passar dos anos, e que valia a pena ter a garantia estendida de três anos, a despeito de qualquer profecia maia para 2012.
 
Ele virou a tela do monitor para mim, apontou os valores e olhou para o lado, se certificando que a Polícia especializada em reprimir descontos não estava passando. Então, olhou para mim como um amigo de longa data que compartilha um segredo íntimo e, sem uma palavra, descontou 100 reais do preço da máquina, se eu a levasse junto com a garantia. Concordei, e fiquei esperando pelo gesto secreto da irmandade a qual havia sido acolhido.
 
Do lado de fora, eu e a namorada rolamos de rir: blefar daquele jeito é o que a gente faz todo dia dando aula.

3 comentários:

  1. Adoro suas crônicas

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom espero que volte a postar!!

    ResponderExcluir